02/07/2015 11:55 por Geisa Castro, Serviço de Comunicação Social e Atendimento ao Público/MAST

A exposição permanente “Olhar o Céu, Medir a Terra”, do Museu de Astronomia e Ciências Afins (MAST), explora a relação entre a ciência e a configuração territorial do Brasil a partir de instrumentos científicos de medição do tempo e do espaço do Acervo Museológico do MAST e de documentos históricos.

Inaugurada em 19 de dezembro de 2011, a mostra reúne instrumentos científicos que fazem parte do acervo do MAST, em sua maioria peças originais do século XIX que pertenceram ao Imperial Observatório, hoje Observatório Nacional (ON). Também estão expostas réplicas de instrumentos dos séculos XVI e XVII, além de documentos, mapas, vídeos e fotografias de diferentes períodos da história da ciência no Brasil.

Durante as grandes navegações, as medições das coordenadas de latitude e longitude, eram feitas com o auxílio de uma série de instrumentos que permitiam medir as alturas dos astros: astrolábios, quadrantes, balestilhas e a bússola. Além destes, quando se queria confeccionar uma carta de marear ou carta náutica, era necessário o uso de compassos e réguas para transferir os dados coletados para o papel.

Nesta exposição, entre os instrumentos científicos expostos, destacamos a réplica de um astrolábio português da Casa de Góes e compassos provenientes do século XVII, cujas peças originais encontram-se no Museu Naval do Rio de Janeiro. Além da réplica de uma balestilha e ainda o instrumento original mais antigo da mostra, um quarto de círculo do século XVIII, utilizado na determinação da altura de estrelas.

No percurso apresentado pela exposição, é abordada a dinâmica da formação de fronteiras. Como a discussão em torno da “Exata Medida da América”, na qual a definição da linha do Tratado de Tordesilhas é o ponto principal. E também a definição de fronteiras no Brasil, pois, no século XIX, o território do Brasil ainda não estava totalmente mapeado: era preciso traçar seus limites com os países vizinhos.

Outra questão interessante apresentada na exposição é a ambientação do acampamento da Expedição da Comissão Exploradora do Planalto Central, realizada em 1892, que apresenta as condições de trabalho e os instrumentos usados, na época, para a demarcação do quadrilátero da futura capital do Brasil.

A exposição permanente “Olhar o Céu, Medir a Terra”, está localizada no prédio sede do MAST e pode ser visitada às terças, quintas e sextas, das 9h às 17h; quartas, das 9h às 20h; sábados, das 14h às 20h; domingos e feriados, das 14h às 18h. A entrada é gratuita.

Acesse o site da exposição.