17/04/2017 16:18

A atividade agrícola está sofrendo alterações resultantes das mudanças climáticas, as quais representam uma séria ameaça à segurança alimentar. Dentre as modificações, a concentração de dióxido de carbono atmosférico vem aumentando, significativamente, e as previsões indicam que o processo dificilmente será revertido. Além de atuar como gás de efeito estufa, causando alterações no clima do planeta, o CO2 também pode causar impactos diretos nos agroecossistemas. Experimentos de campo do tipo FACE (“Free Air Carbon Dioxide Enrichment”) constituem o método ideal de estudo desses impactos, pois os problemas de interferências causadas por artefatos da experimentação são reduzidos, permitindo avaliações em sistemas intactos. Durante a condução do projeto Climapest, foi desenvolvido e instalado um FACE na Embrapa Meio Ambiente (Jaguariúna, SP) com a cultura do café.

O projeto Climapest FACE pertence ao Sistema Embrapa de Gestão (código SEG 02.12.01.018.00.00) da carteira de projetos de pesquisa do Macroprograma 2, tendo sido aprovado para o período de setembro de 2012 a setembro de 2015.  Trata-se do primeiro FACE da América Latina, sendo o primeiro a estudar a cultura do café no mundo e o primeiro a priorizar o estudo de problemas fitossanitários e suas relações com as demais áreas do conhecimento. A importância da cultura de café para o País e a inexistência de resultados de pesquisa sobre os efeitos sobre esse agroecossistema fizeram com que o café fosse escolhido como estudo de caso.

Saiba mais sobre o projeto Climapest FACE